Prelúdio 22 - Maria Anita Carneiro Ribeiro
 

"Prelúdio"

O Seminário, livro XII, Problemas cruciais para a psicanálise (1964-65), ocupa um lugar estratégico no ensino de Lacan e evocá-lo em um Encontro Nacional, neste momento de nossa história, é mais do que oportuno, é também estratégico.

 

No primeiro semestre de 1964, Lacan, atendendo à demanda de seus alunos, retoma seu seminário após a “excomunhão” da IPA. Ele o faz empreendendo seu segundo “retorno a Freud”: inconsciente, pulsão, transferência e repetição... Os quatro conceitos fundamentais da psicanálise (Seminário, livro XI) renovam os votos do “Discurso de Roma”, mas exigem um passo a mais. Depois de dez seminários construindo cuidadosamente os conceitos de sujeito e objeto da psicanálise, sob a égide do aforismo “o inconsciente estruturado como uma linguagem”, é o momento de começar a interrogar a própria relação da psicanálise com a ciência.

 

Em 1953, Lacan apostava na possibilidade de inscrever a psicanálise junto à antropologia e à linguística estruturais no campo das ciências conjecturais. Em 1964, retomando o nascimento da ciência moderna com Descartes, ressalta a especificidade da lógica da psicanálise. Nas operações lógicas de causação do sujeito – alienação e separação – as operações aristotélicas de reunião e interseção são atravessadas pela lógica da castração:

 

               Nem a bolsa, nem a vida: a escolha inevitável da vida traz em si inscrita a morte como destino. Nem o ser, nem o sentido: a escolha inevitável pelo sentido tem como destino último o não–sentido. Nem do sujeito, nem do Outro: o objeto, para sempre perdido, cai entre os dois conjuntos faltosos e não pertence a nenhum deles.

 

A descoberta freudiana do inconsciente se inscreve no Aulfklarung do cogito de Descartes à condição de subverte-lo. O Seminário, livro XII, de1964 a 1965, prossegue neste caminho, interrogando os limites do sentido, da significação, do não–sentido (nonsense) e da ausência de sentido (absense). Com base no princípio freudiano da não contradição, que rege o inconsciente, Lacan retoma a lógica do paradoxo para mostrar que, diferentemente do silogismo aristotélico em que:

            Se A=B

             e  B=C

      Donde A=C,

no inconsciente,

                 A é diferente de A

e se eu digo: “ Eu minto”,

                eu é diferente de eu.

 

Finalmente, na primeira lição do Seminário, livro XIII, O objeto da psicanálise, que constitui o texto que encerra seus Escritos “ A ciência e a verdade”, Lacan traça com clareza o lugar da psicanálise com relação não só à ciência, mas também à magia e à religião. Um lugar de interseção, mas não de sobreposição ou de subserviência.

 

No momento em que vivemos, no Brasil e no mundo, a disseminação de uma faceta do discurso da ciência que ignora o sujeito do inconsciente (que é o próprio cientista), é acompanhada pela explosão do fundamentalismo religioso. Esta combinação malsã espraia certezas paranoicas, exclusão e segregação. Enfim, um discurso de ódio que se reduz à pura manifestação da pulsão de morte.

 

Em 1972, nas Conferências Italianas que proferiu em Milão, Lacan chama a atenção para a foraclusão do laço social no discurso capitalista. A foraclusão do laço social significa o esvaziamento da libido das relações entre os homens, restando a pulsão de morte, em nome de certezas delirantes quer científicas, religiosas ou políticas.

 

Ao lado do discurso da histérica, somente o discurso analítico recupera o lugar do amor no laço social. Porém, ali onde a histérica ama e conclama o mestre para que ele produza um saber, o discurso do analista produz transferência: amor ao saber.

 

Assim, toda reunião de analistas, como nosso Encontro Nacional, que faça ecoar este discurso produzindo ondas que se propagam é, como disse, mais do que oportuno, estratégico. 

                                           

EPFCL - Brasil 

Sede permanente

Rua Goethe, 66 - 2º Andar - Rio de Janeiro

Comissão de Gestão

Diretora: Elisabeth da Rocha Miranda  -  Secretária: Andréa Franco Milagres

Tesoureira: Geisa Freitas